Qual a importância da biópsia embrionária durante o tratamento de fertilidade

embriao

O que é biópsia embrionária?

Os procedimentos de reprodução assistida buscam aprimorar cada vez mais suas técnicas para aumentar a precisão e chances de sucesso. Dentro do tratamento de Fertilização in Vitro existe uma técnica chamada biópsia embrionária, na qual os embriões são analisados antes de serem inseridos no útero materno.

É um procedimento delicado em que são retiradas algumas células do embrião, de preferência no estágio de blastocisto, e estas células são enviadas para um laboratório especializado para que seja realizada uma análise genética. 

Por que realizar uma biópsia embrionária?

A biópsia embrionária não é realizada em todos os tratamentos de Fertilização in Vitro. É importante conversar com seu médico e entender os riscos e benefícios deste procedimento para o seu caso. O procedimento pode ser recomendado em alguns casos: 

Idade avançada da mulher

Os óvulos gerados por mulheres com mais de 40 anos possuem chances maiores de terem alterações cromossômicas (o que chamamos de aneuploidias). 

Cariótipo alterado

Se um dos parceiros tiver uma alteração no cariótipo, existe o risco aumentado de abortos espontâneos. Nestes casos, a biópsia pode ser realizada para se selecionar os embriões que não tenham a mesma alteração de cariótipo, com o objetivo de diminuir o risco de abortamento. 

Casal Portador de Gene para doenças recessivas


Existem doenças genéticas que só se manifestam se o indivíduo tiver dois genes que determinam seu aparecimento. Em alguns casos, cada parceiro possui um gene da doença, portanto, os parceiros são normais. Mas caso estes  genes sejam transmitidos ao embrião, o bebê poderia ter uma doença.

A biópsia embrionária está indicada nestes casos para selecionar os embriões que não herdaram dois genes da doença, e prevenir uma doença futura. 

Doença Genética Familiar 

Se algum dos futuros pais possui algum caso de doença genética na família a biópsia embrionária pode ser realizada para estudar se o embrião carrega o gene portador da doença.

Filhos anteriores com cromossopatias

Se o casal já possui um ou mais filhos com Síndrome de Down, Síndrome de Turner ou alguma outra cromossopatia, a biópsia embrionária pode ser realizada para estudar os embriões antes de uma nova gestação. 

Conclusão

A biópsia embrionária pode ser indicada em alguns casos específicos, como uma forma de prevenir problemas durante a gestação.

É importante que você converse com o seu médico para avaliar os riscos e benefícios da realização da biópsia para o seu caso, e saber se você tem indicação de fazer este procedimento no seu tratamento. 

Quer saber mais?

O texto lido foi útil para você? Aproveite para se inscrever em nossa newsletter e receba em primeira mão nossos conteúdos!

Equipe Médica Revisora do Texto

Dr. Ricardo Marinho, Dra. Hérica Mendonça, Dra. Leci Amorim, Dr. Fábio Peixoto, Dra. Luciana Calazans e Dr. Leonardo.

Deixar comentários