Como a alimentação afeta no processo de reprodução assistida?

reprodução-assistida

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a subfertilidade ou infertilidade conjugal é definida como a incapacidade de um casal engravidar após 12-18 meses de relações sexuais, excluído o uso de métodos contraceptivos. A habilidade para conceber não necessariamente está ausente, podendo estar apenas reduzida, condição denominada subfertilidade. De acordo com dados da OMS, aproximadamente 15% dos casais apresentam problemas de fertilidade.

E o estado nutricional e o estilo de vida podem causar grande influência na fertilidade, tanto feminina quanto masculina. O conjunto de hábitos e práticas diárias, como elevado consumo alcoólico, tabagismo, sedentarismo e, inclusive, o consumo alimentar inadequado, podem afetar a saúde reprodutiva de ambos, tanto durante as tentativas de uma gravidez espontânea quanto durante o processo de reprodução assistida. Mas como a alimentação interfere na fertilidade? É o que vamos ver nesse artigo.

O que é reprodução assistida?

A reprodução assistida consiste em diferentes tratamentos que visam auxiliar casais que encontram dificuldades em engravidar espontaneamente. Entre as técnicas que podem ser empregadas, por exemplo, estão:

  • Inseminação intra-uterina (IIU);
  • Fertilização in vitro (FIV);
  • FIV com injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI);
  • Doação de óvulos, dentre outras.

A alimentação pode afetar a fertilidade?

Sim. A fertilidade, tanto feminina quanto masculina, pode ser afetada por vários motivos. E a nutrição e o estilo de vida são fatores que podem influenciar a saúde reprodutiva de uma pessoa – e não só em relação à fertilidade, como também a qualidade do espermatozoide, o desenvolvimento embrionário e a capacidade de gestação.

Isso acontece porque o corpo humano é inteligente. Para um aspecto dele funcionar corretamente, é importante que todos os outros funcionem também. Uma vida que está sendo gerada depende diretamente da saúde do seu corpo, e se a saúde do seu corpo não vai bem, uma gestação pode acabar piorando isso. Então seu corpo preza pela auto-preservação, e a fertilidade acaba comprometida.

O “segundo cérebro”

Para além da questão de saúde, o que você come interfere diretamente no seu humor, na sua disposição e na sua saúde mental: o intestino humano possui cerca de meio bilhão de neurônios e mais de 30 neurotransmissores. Não a toa, ele é apelidado pelos cientistas de “o segundo cérebro”. Ele é responsável por 50% da dopamina e 90% da serotonina produzidas pelo seu corpo. Esses dois neurotransmissores são grandes responsáveis pelo humor, aprendizado, cognição, memória e uma série de outros comportamentos.

A dopamina é uma importante peça do sistema de recompensa (que te faz se sentir bem quando alcança algum objetivo, e é extremamente importante para te manter determinado e focado), e uma baixa produção de serotonina está ligada à depressão. Então é inegável: “você é o que você come”.

Como a alimentação interfere na fertilidade?

A alimentação exerce um papel importante na síntese do DNA, por estar envolvida tanto no desenvolvimento dos espermatozoides como dos oócitos. Então, uma alimentação desiquilibrada pode interferir negativamente tanto na produção do sêmen, quanto na qualidade, quantidade e motilidade dos espermatozoides. Essas situações podem ocasionar alterações no funcionamento do sistema reprodutor e interferir negativamente na saúde reprodutiva de homens e mulheres.

Uma pesquisa recente feita com mulheres em processo de reprodução assistida mostrou que as mulheres que consumiam mais verduras, peixes, frutas, frango, lácteos desnatados e azeite de oliva apresentavam mais sucesso reprodutivo, enquanto que o consumo excessivo de carboidratos refinados favoreceria a infertilidade por anovulação.

As pacientes que receberam e seguiram a orientação nutricional apresentaram 2 vezes mais chance de engravidar do que o grupo que não passou em consulta. Além disso, dentre estas mulheres, aquelas que receberam orientação nutricional num intervalo menor do que 60 dias antes da transferência dos embriões tiveram quase 5 vezes mais chance de engravidar.

De olho na balança

Pesquisas apontam que, não só a alimentação, mas também o peso interfere da saúde reprodutiva: tanto um subpeso quanto o sobrepeso. Diferentes estudos afirmam que o baixo peso (IMC menor que 17 kg/m2) e as condições de sobrepeso ou obesidade em mulheres (IMC maior que 25 kg/m2) estão associados a um aumento da infertilidade ou a desfechos gestacionais indesejados.

O estado nutricional reflete a saúde reprodutiva desde os primeiros estágios: o baixo peso causa desequilíbrio hormonal, afeta negativamente a ovulação e menstruação e desafia o início da gestação. Por outro lado, o excesso de gordura corporal afeta a ovulação devido à sensibilidade à insulina, excesso de androgênios e leptina.

Como me alimentar de forma saudável?

Mais importante do que seguir regras prontas encontradas na internet, uma alimentação saudável é aquela que leva em conta suas especificidades, como seu estado de saúde, seu estado emocional e seu estilo de vida. Então o primeiro passo para começar a se alimentar de forma saudável é: Vá a um nutricionista. Mas existem algumas regrinhas básicas que todos podem seguir:

 Evite industrializados e alimentos muito processados

Uma alimentação equilibrada é feita principalmente de legumes e verduras. Carboidratos refinados, como pão, macarrão e bolachas feitas com farinha de trigo, devem ser ingeridos com moderação já que, dentre outras coisas, o processamento de grãos retira nutrientes essenciais, como antioxidantes, vitaminas do complexo B e ferro. Não corte alimentos, a não ser que por recomendação e com acompanhamento médicos, mas dê preferência para alimentos naturais.

Acrescente carne branca à alimentação

Diversos estudos clínicos demonstram que há relação direta entre o consumo frequente e regular de peixes e níveis excelentes de HDL e o aumento das taxas de fertilidade, devido às suas propriedades nutricionais.

 Pratique atividades físicas regularmente

Não adianta se alimentar bem se a absorção dos nutrientes for ruim, e essa absorção está diretamente relacionada com exercícios regulares. Ser sedentário não é ruim só para a aparência física, mas também para a saúde e para a mente. Tudo está relacionado!

Lembre-se: Várias coisas podem afetar a sua saúde e, por consequência, sua fertilidade. Mas, considerando que a nutrição e o estilo de vida são fatores que podem ser modificáveis, só depende de você se tornar uma pessoa mais saudável!

Equipe Médica Revisora do Texto

Dra. Hérica Mendonça, Dr. Fábio Peixoto, Dra. Luciana Calazans e Dr. Leonardo.

Deixar comentários