6 custos que você pode ter durante o tratamento da FIV

custo-fiv

Casais que se dispõe a realizar procedimentos para engravidar, como a fertilização in vitro (FIV), podem enfrentar muitos desgastes durante o processo. Desde questões emocionais até os custos do tratamento podem gerar situações incomuns e estressantes.

Por isso, é muito importante que o casal esteja unido e preparado para lidar com diversas emoções que podem surgir no tratamento. Além disso, é fundamental fazer uma reserva financeira que permita levar o tratamento com tranquilidade em todas as etapas e, sem que isso sobrecarregue as finanças familiares.

Nesse sentido, os ansiosos e futuros papais e mamães se beneficiarão ao buscar uma clínica ética, que seja clara e transparente em todas as etapas do tratamento de infertilidade.

Vocês estão pensando em engravidar e precisam de uma ajudinha da medicina? Gostariam de saber quais são as estimativas de gastos em cada etapa da fertilização in vitro? 

O Pró-FIV explica!

Consulta com especialista

O primeiro passo para o tratamento é a consulta com especialista em reprodução humana, seja ele ginecologista ou andrologista. Nesta consulta, e em todas as outras etapas do tratamento, é importante a presença do casal. 

A consulta é o primeiro passo para avaliação do casal, entender se estão em condições clínicas para conceber um filho. Neste momento, também é feita uma análise para entender se a FIV é, de fato, a melhor solução para o casal. Em alguns casos, pode ser necessário algum tratamento prévio à FIV.

Portanto, é essencial que esse especialista tenha uma formação adequada e conhecimento prático na área. Assim, uma boa consulta com profissional capacitado, é indispensável para evitar maiores desgastes físicos e psicológicos. 

Após a consulta, o casal deve realizar sorologias, exames que avaliam infecções prévias e atuais, para segurança durante a gestação, e que são estipuladas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Além disso, podem ser realizados exames de imagem, como ultrassonografias ou ressonância magnética, e dosagens hormonais.

Monitoramento de ovulação

A estimulação ovariana é uma etapa crucial para o tratamento da fertilização in vitro. Nela a mulher recebe hormônios para induzir o crescimento do maior número de folículos ovarianos. Estes, por sua vez, produzirão hormônios e os óvulos maduros.

Após esta etapa, os óvulos serão coletados e fertilizados com os espermatozóides, em laboratório. 

Na monitorização da ovulação são realizados ultrassonografias seriadas (normalmente em dias alternados), seguindo diversos protocolos, individualizados para cada paciente. 

Espermograma

Para que a FIV tenha sucesso, é preciso investigar as possíveis causas de infertilidade feminina e masculina.

De fato, percentualmente, homens e mulheres tem a mesma parcela de causas que dificultam a gravidez e estudos apontam que em 20% dos casos ocorre a interseção de ambas as causas, feminina e masculina.

E não é apenas para a mulher que a idade conta na hora de engravidar. A fertilidade masculina passa a diminuir também com a idade, porém menos expressiva que a feminina.

Nesse sentido, é essencial a realização da análise seminal, ou espermograma. 

Além dá análise seminal, o paciente pode precisar realizar outros exames, como:

  • o cariótipo com banda G; 
  • a microdeleção do cromossomo Y;
  • a fragmentação do DNA espermático;

Captação (punção) de espermatozóides 

Alguns pacientes podem precisar de um procedimento para captação dos espermatozoides. Isso acontece em resultados de azoospermia, identificado no espermograma. Isso quer dizer que não há espermatozoides no sêmen ejaculado – uma das causas de infertilidade. 

O procedimento retira os espermatozoides diretamente dos testículos ou dos epidídimos, por meio de uma agulha fina e seringa, sendo indicado nos casos de ausência de espermatozoides por alguma obstrução no trajeto de saída do sêmen. 

Com os espermatozoides retirados, pode-se utilizá-los, em laboratório, para fertilizar os óvulos da parceira, dando prosseguimento à FIV. A punção é feita, habitualmente, com anestesia local.

Congelamentos (criopreservação)

Há dois tipos de custos para congelamentos na fertilização in vitro.

De sêmen durante a FIV

Caso seja necessário, é possível fazer o congelamento do sêmen antes da utilização na FIV. 

De embriões após a FIV

Após o tratamento, podem existir embriões excedentes. A preservação deste material pode ser muito importante, caso, no futuro, o casal deseje fazer novo tratamento ou doá-los.

Preservar os materiais genéticos aumenta a probabilidade de gravidez em processos de reprodução assistida futuros. Com ele, o casal evita passar por todo o processo de estimulação dos ovários, aspiração folicular e captação dos espermatozoides novamente. 

Ficou alguma dúvida sobre os gastos durante o tratamento da FIV? O Pró-FIV é um serviço que oferece o tratamento para infertilidade de forma acessível. Entenda como funciona o tratamento da FIV em nossa clínica!

Agendar Consulta

    Equipe Médica Revisora do Texto

    Dra. Hérica Mendonça, Dr. Fábio Peixoto, Dra. Luciana Calazans e Dr. Leonardo.

    Deixar comentários